segunda-feira, 19 de outubro de 2009

DIETA ORTOMOLECULAR

Esta dieta foi desenvolvida a partir dos princípios da medicina ortomolecular. O tratamento possui três pontos principais: atividade física, alimentação saudável (com suplementação, se preciso) e mudança comportamental. Se o indivíduo já consome uma alimentação balanceada, não é necessário fazer a suplementação com vitaminas e minerais. O consumo de alimentos funcionais é incentivado nessa dieta.
.
Antes de iniciar o tratamento ortomolecular, é necessário que sejam feitos diversos exames: fio de cabelo, sangue, urina ou saliva, com o objetivo de avaliar a concentração de vitaminas e minerais no organismo. De acordo com resultados o profissional elabora uma dieta personalizada e caso seja necessário, prescreve suplementos para equilibrar todos os sistemas do organismo. O principal exame solicitado antes do início do tratamento é o mineralograma (exame do fio de cabelo), que apresenta em seus resultados, possíveis excessos de minerais pesados, como o chumbo e alumínio.
.
O segredo dessa prática é corrigir carências e excessos de vitaminas e minerais no organismo para neutralizar os radicais livres e retardar o envelhecimento. Vários fatores externos, como stress, poluição, cigarro, álcool e alimentação desequilibrada, colaboram para a produção exagerada dessas moléculas instáveis. Seus efeitos prejudiciais ficam visíveis na falta de vitalidade da pele e do cabelo. O ajuste de nutrientes, baseado na mudança na alimentação mexe também com o metabolismo e melhora o funcionamento do intestino, facilitando a queima de gordura e eliminação de toxinas. As mudanças prometidas pela dieta ortomolecular são: mais disposição, melhora na função sexual, cabelos com melhor crescimento, melhora da memória, melhora da função cardiovascular, perda de peso e melhora do aspecto da pele.
.
A receita é abandonar as refeições rápidas e os alimentos industrializados, pobres no que os ortomoleculares chamam de nutrientes vivos e essenciais. Isso porque a alimentação desequilibrada é uma das grandes responsáveis pela formação dos radicais livres. Seu cardápio deve ser rico em alimentos integrais, frescos e funcionais, aqueles que, além de nutrir, oferecem substâncias que fortalecem o sistema imunológico, combatem os radicais livres e aceleram o metabolismo. Não existem evidencias científicas que comprovem a eficácia deste tratamento, porém, a prática de atividade física, alimentação saudável e fracionada proporcionam reais benefícios à saúde. A suplementação de vitaminas e minerais deve ser feita com cautela, pois o excesso de algumas vitaminas e minerais pode ser prejudicial à saúde. O acompanhamento com nutricionista é essencial.
.
Nutrição em Foco
.Partilhar

2 comentários:

Será?! Sei Lá! disse...

Olá,

Muito bom o texto. Este ano farei a cirurgia bariátrica, já estou no meio do processo de avaliação. Estou procurando uma forma de, após a recuperação da cirurgia, equilibrar minha alimentação para evitar efeitos colaterais causados por ela, como queda de cabelo, enfraquecimento dos dentes e unhas devido a carência de vitaminas e nutrientes. Você acha que a nutrição ortomulecular pode ser minha aliada após a cirurgia?

Obrigada.

Scheilla.

CHRISTIANE VELOSO disse...

Olá Scheilla!
A dieta ortomolecular, desde que acompanhada por um profissional pode ser sim uma forte aliada para equilibrio de nutrientes, garantindo a você uma alimentação saudável, mesmo após a cirurgia bariátrica. Boa sorte! Abraços!